Lista bibliográfica

Martins, Andérbio, Lidiane Camargos, Lucivaldo Costa & Maxwell Miranda. 2009. Causativização em línguas do tronco Macro-Jê: primeiras aproximações. Anais do SILEL, vol. 1.

Martins, Andérbio Márcio Silva. 2007. Revisão da família lingüística Kamakã proposta por Chestmir Loukotka. Dissertação de mestrado, UnB.

Martins, Andérbio Márcio Silva. 2009. Um estudo comparativo-lexical das famílias Kamakã e Purí. In Braggio, Silvia L. B. & Sinval M. de Sousa Filho, Línguas e Culturas Macro-Jê, p. 231-238. Goiânia: Editora Vieira.

Martins, Andérbio Márcio Silva. 2010. Alguns dos resultados da revisão da família lingüística Kamakã proposta por Chestmir Loukotka (1932). In Amado, Rosane de Sá (org.), Estudos em línguas e culturas Macro-Jê, p. 143-153. São Paulo: Paulistana.

Martins, M. de L. de Paula. 1958. Vocabulário Botocudo de Charles Frederick Hartt. Miscellanea Paul Rivet, vol.2, p. 405-429.

Matta, Roberto da. 1967. Grupos Jê do Tocantins. In Lent, Herman (ed.), Atas do Simpósio sôbre a Biota Amazônica, vol. 2 (Antropologia), 133-143. Rio de Janeiro: Conselho Nacional de Pesquisas.

Matta, Roberto da. 1976. Um mundo dividido: estrutura social dos índios Apinayé. Petrópolis: Vozes.

Mattos, Izabel Missagia de. 2006. O litígio dos Kayapó no Sertão da Farinha Podre (1847-1880). Dimensões, vol. 18, p. 139-148.

Maybury-Lewis, David. 1979. Dialectical Societies: The Gê and Bororo of Central Brazil. Cambridge, Harvard University Press.

Maybury-Lewis, David. 1984. A sociedade Xavante. Rio de Janeiro, Francisco Alves.

Maybury-Lewis, David. 1988. The savage and the innocent. Boston: Beacon Press.

Meggers, Betty J. 1971. Amazonia: Man and Culture in a Counterfeit Paradise. Chicago: Aldine Atherton.

Meland, Douglas. 1968. Resenha de Estrutura da língua iatê, de Geraldo Lapenda (Recife: Imprensa Universitária, 1968). Estudos Lingüísticos (Revista Brasileira de Lingüística Teórica e Aplicada), vol. III, n. 1-2, 52-56.

Melatti, Júlio Cezar. 1978. Ritos de uma tribo Timbira. São Paulo, Ática.

Melatti, Julio Cezar. 2010. O mito de Sol e Lua: um comentário. Revista Brasileira de Linguística Antropológica, vol. 2, n. 1, p. 13-76.

Menezes Sobrinho, Thomaz Pompeu de S. 1928. Contribuição para o estudo das afinidades do Kariri. Revista do Instituto do Ceará, 42, p. 3-21.

Menezes Sobrinho, Thomaz Pompeu de Sousa. 1947. Sistema de parentesco dos índios Cariris. Revista do Instituto do Ceará, 61, p. 163-180.

Menezes Sobrinho, Thomaz Pompeu de Sousa. 1950. As origens dos indios Carirís. Revista do Instituto do Ceará, 64, p. 314-347(?).

Métraux, Alfred. 1942. The Native Tribes of Eastern Bolivia and Western Matto Grosso. Washington: US Government Printing Office.

Miranda, Maxwell Gomes. 2009. Investigando as formas verbais longas em Krahô (Jê). In Dermeval da Hora (org.), Anais: VI Congresso Internacional da Abralin, vol. 2, p. 3958-3965. João Pessoa: Ideia.

Miranda, Maxwell Gomes. 2010. As nominalizações na sintaxe da língua Krahô (Jê). Mestrado, UnB.

Moi, Flavia Prado. 2007. Os Xerente: um enfoque etnoarqueológico. São Paulo, Annablume.

Monteiro, John M. 2001. Tupis, tapuias e historiadores: estudos de história indígena e do indigenismo. Tese de livre docência, Unicamp, Departamento de Antropologia/IFCH.

Mota, Lúcio. 1996. Pãri: armadilha de pesca utilizada pelos índios Kaingang no sul do Brasil. Universidade e Sociedade, Ano 11, n. 15, p. 21-25.

Moura, Marlene Castro Ossami de. 2006. Aldeamento Carretão: “marco zero” da história das relações interétnicas dos tapuios. Dimensões, vol. 18, p. 28-48.

Nascimento, José Francisco Thomaz do. 1886. Viagem feita por José Francisco Thomaz do Nascimento pelos desconhecidos sertões de Guarapuava, Provincia do Paraná, e relações que teve com os indios coroados mais bravios daquelles lugares. Revista Trimensal do Instituto Historico Geographico e Ethnographico do Brazil, tomo XLIX, 267-281.

Nascimento, Luiz Augusto Sousa do. 2009. Prwncwyj: drama social e resolução de conflito entre os Apãniekra Jê-Timbira. Dissertação de mestrado (Antropologia Social), UFRN.

Nimuendaju, Curt & R. F. Mansur Guérios. 1948. Cartas etnolingüísticas. Revista do Museu Paulista, n.s., n. 2, p. 207-241.

Nimuendaju, Curt & Robert H. Lowie. 1938. The Social Structure of the Ramko'kamekra. American Anthropologist, 40 (1), pp. 51-74.

Nimuendaju, Curt. 1940. The Kupá, a cultivated plant of the Timbira of Brazil. Proceedings of the Sixth Pacific Science Congress of the Pacific Science Association, vol. 4, p. 131-134.

Nimuendaju, Curt. 1942. The Šerente. Los Angeles: The Southwest Museum.

Nimuendajú, Curt. 1982. Textos indigenistas: relatórios, monografias, cartas. São Paulo: Edições Loyola.

Nimuendajú, Curt. 1983. The Apinayé. Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi.

Nimuendajú, Curt. 1993. Etnografia e indigenismo: sobre os Kaingang, os Ofaié-Xavante e os índios do Pará. Campinas: Editora da Unicamp.

Nimuendaju, Curt. 2000. Cartas do Sertão, de Curt Nimuendajú para Carlos Estevão de Oliveira. Lisboa: Museu Nacional de Etnologia/Assírio & Alvim.

Nimuendaju, Curt. 2001. A corrida de toras entre os Timbira. Mana, v. 7, n. 2, p. 151-194.

Nimuendaju Unkel, Curt. 1914. Vokabular und Sagen der Crengêz-Indianer (Tājé). Zeitschrift für Ethnologie, 46, p. 626-636.

Nimuendaju Unkel, Curt. 1915. Vocabulare der Timbiras von Maranhão und Pará. Zeitschrift für Ethnologie, 47, p. 302-305.

Noelli, Francisco. 1998. Bibliografia Kaingang: referências sobre um povo Jê do sul do Brasil. Londrina, Editora UEL.

Noelli, Francisco Silva. 1996. Os Jê do Brasil meridional e a antigüidade da agricultura: elementos da lingüística, arqueologia e etnografia. Estudos Ibero-Americanos, v. 22, n.1, p. 13-25.

Noelli, Francisco Silva. 1999. Repensando os rótulos e a história dos Jê no Sul do Brasil a partir de uma interpretação interdisciplinar. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia, Suplemento 3, p. 285-302.

Noelli, Francisco Silva. 2002. A construção do mapa arqueológico Jê no sul do Brasil. In Santos, Ludoviko dos & Ismael Pontes (org.), Línguas Jê: estudos vários, p. 243-277. Londrina: Editora UEL.

Nonato, Rafael & Filomena Sandalo. 2007. Uma comparação gramatical, fonológica e lexical entre as famílias Guaikurú, Mataco e Bororo: um caso de difusão areal?. Boletim do Museu Paraense Emilio Goeldi. Ciências Humanas, Vol. 2, No 2, p. 91-107.

Nonato, Rafael Bezerra. 2007. Ainore Boe egore: um estudo descritivo da língua bororo e conseqüências para a teoria de caso e concordância. Dissertação de mestrado, IEL/Unicamp.

Nonato, Rafael Bezerra. 2008. Fonética e fonologia da palavra em Boróro. In Stella Telles & Aldir Santos de Paula (orgs.), Topicalizando Macro-Jê, p. 129-148. Recife: NECTAR.

Novak, Éder. 2006. Tekoha e emã: a luta das populações indígenas por seus territórios e a política indigenista no Paraná da primeira república - 1889 a 1930. Dissertação de mestrado, Maringá, UEM.

Oberg, Kalervo. 1953. Indian tribes of Northern Mato Grosso, Brazil. Washington: US Government Printing Office.

Oliveira, Christiane Cunha de. 1998. Some outcomes of the grammaticalization of the verb ɔ 'do' in Apinajé. Santa Barbara Papers in Linguistics, Volume 8, pp. 55-67.

Oliveira, Christiane Cunha de. 2003. Lexical categories and the status of Descriptives in Apinajé. International Journal of American Linguistics, Volume 69, no. 3, p. 243-274.

Oliveira, Christiane Cunha de. 2005. The language of the Apinajé people of Central Brazil. PhD dissertation, University of Oregon.

Oliveira, Luciane Monteiro. 1999. A produção cerâmica como reafirmação de identidade étnica Maxakali: um estudo etnoarqueológico. Dissertação de Mestrado, USP.

Oliveira, Maria das Dores de. 2006. Ofayé, a língua do povo do mel: fonologia e gramática. Tese de doutorado, UFAL.

Oliveira, Rosana C. de. 2002. Construções interrogativas em Xavante. In Santos, Ludoviko dos & Ismael Pontes (org.), Línguas Jê: estudos vários, p. 185-194. Londrina: Editora UEL.

Oliveira, Rosana Costa de. 2007. Morfologia e Sintaxe da Língua Xavante. Tese de doutorado, UFRJ.

Oliveira-Reis, Francisco Carlos. 2001. Aspectos do contato e formas socioculturais da sociedade Akwë-Xerente (Jê). Dissertação de Mestrado (Antropologia Social), UnB.

Oosten, J. G. 1981. Filiation and alliance in three Bororo myths: a reconsideration of the social code in the first chapters of The raw and the cooked. Bijdragen tot de Taal-, Land- en Volkenkunde 137 (1981), no: 1, Leiden, 106-125, 137, n. 1, 106-125.

Ottoni, Theophilo Benedicto. 1858. Noticia sobre os selvagens do Mucury, em uma carta dirigida pelo Sr. Theophilo Benedicto Ottoni ao senhor Dr. Joaquim Manoel de Macedo. Revista do Instituto Historico e Geographico Brasileiro, tomo XXI, p. 191-238.

Pacheco, Frantomé & Flávia de Castro Alves. 2010. Construções ergativas em Timbira: formulando hipóteses a partir de uma tipologia baseada em eventos. In Amado, Rosane de Sá (org.), Estudos em línguas e culturas Macro-Jê, p. 189-202. São Paulo: Paulistana.

Paes, Francisco Simões. 2002. Rastros do espírito: fragmentos para a leitura de algumas fotografias dos Ramkokamekrá por Curt Nimuendaju. Revista de Antropologia, vol.47, n.1, pp. 267-307.

Paes, Francisco Simões. 2005. Os modelos da experiência ou a experiência dos modelos: introdução ao estudo do cerimonial Xikrin. Dissertação de Mestrado (Antropologia Social), USP.

Palácio, Adair P. 2004. Alguns aspectos da língua Guató. In D'Angelis, Wilmar da R. (org.), LIAMES (Anais do II Encontro Macro-Jê), 4, p. 163-170. Campinas: IEL/Unicamp.

Palácio, Adair Pimentel. 1984. Guató: a língua dos índios canoeiros do Rio Paraguai. Tese de doutorado, Unicamp.

Panet, Rose. 2005. Dualismo, metades assimétricas e lógica paradoxal na mitologia Ramkokamekra. Revista Pós Ciências Sociais, 2, p. 7-22.

Panet, Rose. 2008. Representações femininas da sexualidade e da corporeidade masculinas entre mulheres amerí­ndias Kanela-Ramkokamekra. In Silva, Antonio de Pádua Dias (org.), Identidades de gênero e práticas discursivas, p. 179-184. Campina Grande: EDUEP.

Parellada, Cláudia Inês. 2008. Estética Indígena Jê no Paraná: tradição e mudança no acervo do Museu Paranaense. Revista Científica FAP, v.3, p.213-229.

Paula, Eunice Dias de & Luiz Gouvêa de Paula. 2009. Crianças trilingües: uma questão para as escolas Tapirapé-Karajá. In Braggio, Silvia L. B. & Sinval M. de Sousa Filho, Línguas e Culturas Macro-Jê, p. 153-165. Goiânia: Editora Vieira.

Penny, H. Glenn. 2003. The Politics of Anthropology in the Age of Empire: German Colonists, Brazilian Indians, and the Case of Alberto Vojtečh Frič. Comparative Studies in Society and History, 45:2:249-280.

Pereira, Deuscreide Gonçalves. 1992. Alguns aspectos gramaticais da língua Maxakali. Dissertação de mestrado, UFMG.

Pereira, Silvia Siqueira. 2011. Julgamento de aceitabilidade imediata da alternância causativa em Maxakalí. Anais do VII Congresso Internacional da Abralin, p. 4045-4058.

Pericliev, Vladimir. 2007. The Kaingang (Brazil) Seem Linguistically Related to Oceanic Populations. Journal of Universal Language, 8, p. 39-59.

Pericliev, Vladimir. 2009. Kaingang and Austronesian — Similarities between Geographically Distant Languages. Current Issues in Unity and Diversity of Language (2009). Papers selected from 18th
Intl. Congr. Ling. (Seoul, 2008)
, p. 875-892.

Pessoa, Katia Nepomuceno. 2008. A língua Krenák: fonologia não-linear e aspectos morfossintáticos. Anais do SETA, Vol. 2, p. 389-394. Campinas: IEL/Unicamp.

Pessoa, Katia Nepomuceno. 2009. Fonologia da língua Krenak: um estudo preliminar. In Dermeval da Hora (org.), Anais: VI Congresso Internacional da Abralin, vol. 1, p. 2220-2227. João Pessoa: Ideia.

Pessoa, Katia Nepomuceno. 2012. Análise fonética e fonológica da língua Krenak e abordagem preliminar de contos Botocudo. Tese de doutorado, Unicamp.

Pickering, William Alfred. 2010. A fonologia xavante: uma revisitação. Tese de doutorado, Unicamp.

Pinto, Estêvão. 1955. Estórias e lendas indígenas. Secção E (História e Geografia), 15. Recife: Faculdade de Filosofia de Pernambuco, Universidade do Recife.

Pioli, Alexandre Tunis. 2010. Duas abordagens para a formação de sintagmas fonológicos em Rikbaktsa. Mestrado, Unicamp.

Pires, Nádia Nascimento. 1992. Estudo da gramática da língua Jeoromitxi (Jabuti). Dissertação de mestrado, Unicamp.

Pires, Nádia Nascimento. 1998. Construções passivas, transitivas e intransitivas em Djeoromitxi. Cadernos de Estudos Lingüísticos, 34, p. 147-155.

Pompa, Cristina. 2003. Cartas do Sertão: a catequese entre os Kariri no século XVII. Revista ANTHROPOLÓGICAS, ano 7, volume 14 (1 e 2): 7-33 .

Pompeu Sobrinho, Th. 1931. Indios Merrime. Revista do Insituto do Ceará, 45, 5-35.

Pompeu Sobrinho, Th. 1935. Indios Fulniôs, Karnijós de Pernambuco. Revista do Instituto do Ceará, 49, p. 31-58.

Pompeu Sobrinho, Th. 1935. Lendas Mehin. Revista do Instituto do Ceará, 49, 189-217.

Pompeu Sobrinho, Thomaz. 1919. Etymologia de algumas palavras indigenas. Revista do Insituto do Ceará, 33, p. 208-227.

Posey, Darrell A. 2002. Kayapó ethnoecology and culture. London: Routledge.

Posey, Darrell Addison. 1979. Ethnoentomology of the Gorotire Kayapó of Central Brazil. PhD dissertation, University of Georgia.

Postigo, Adriana Viana. 2009. Fonologia da língua Guató. Dissertação de mestrado, UFMS/Três Lagoas.

Quadros, Francisco R. Ewerton. 1892. Memoria sobre os trabalhos de exploração e observação efetuada pela secção da comissão militar encarregada da linha telegráfica de Uberaba a Cuiabá, de fevereiro a junho de 1889. Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, vol. 55, (1):233-260.

Queiroz, José Márcio Correia de. 2008. Aspectos da fonologia Dzubukuá. Dissertação de mestrado, UFPE.

Quintino, Wellington Pedrosa. 2000. Aspectos da fonologia xavante. Dissertação de mestrado, Unicamp.

Quintino, Wellington Pedrosa. 2009. Assimilação e restrição: condicionamento de coda e onset complexo em Xavante. In Dermeval da Hora (org.), Anais: VI Congresso Internacional da Abralin, vol. 1, p. 3084-3094. João Pessoa: Ideia.

Ramirez, Henri. 2010. Etnônimos e topônimos no Madeira (séculos XVI-XX): um sem-número de equívocos. Revista Brasileira de Linguística Antropológica, vol. 2, n.2, p. 179-224.

Regier, Terry, Paul Kay & Naveen Khetarpal. 2009. Color naming and the shape of color space. Language, Vol. 85, No. 4, p. 884-892.

Rey, Philip. 1884. Notes sur les Botocudos et sur les Purys. Bulletin de la Société d'Anthropologie de Paris, Série 3, v. 7, 89-101.

Ribeiro, Eduardo R. 2000. Direction in Karajá. In Estrada Fernández, Zarina & Rosa María Ortiz Ciscomani (ed.), Memorias/VI Encuentro Internacional de Lingüística en el Noroeste, v.3, p. 39-58. Hermosillo, Sonora: Editorial UniSon.

Ribeiro, Eduardo R. 2000. [ATR] vowel harmony and palatalization in Karajá. Santa Barbara Papers in Linguistics (Proceedings from the third Workshop on American Indigenous Languages), v. 10, 80-92.

Ribeiro, Eduardo R. 2001. Empréstimos Tupí-Guaraní em Karajá. Revista do Museu Antropológico, 5/6:75-100.

Ribeiro, Eduardo R. 2001. Valence, voice, and noun incorporation in Karajá. In Chang, Charles et al. (editors), Proceedings of the 27th Annual Meeting of the Berkeley Linguistics Society: General Session and Parassession on Gesture and Language, p. 229-243. Berkeley: Berkeley Linguistics Society.

Ribeiro, Eduardo R. 2002. Directionality in vowel harmony: the case of Karajá (Macro-Jê). In Larson, Julie & Paster, Mary (editors), Proceedings of the 28th Annual Meeting of the Berkeley Linguistics Society: General Session and Parassession on Field Linguistics, p. 475-485. Berkeley: Berkeley Linguistics Society.

Ribeiro, Eduardo R. 2002. O marcador de posse alienável em Karirí: um morfema Macro-Jê revisitado. LIAMES, 2.31-48.

Ribeiro, Eduardo R. 2002. The prefix u- in Karirí (with some Macro-Jê notes). In Castillo, Jeanie (ed.), Santa Barbara Papers in Linguistics, volume 13, p. 75-88. Santa Barbara: Dept. of Linguistics/UCSB.

Ribeiro, Eduardo R. 2004. Prefixos relacionais em Jê e Karajá: um estudo histórico-comparativo. In D'Angelis, Wilmar da R. (org.), LIAMES (Anais do II Encontro Macro-Jê), 4, p. 91-101. Campinas: IEL/Unicamp.

Ribeiro, Eduardo R. 2005. Análise morfológica de um texto Karajá. In Rodrigues, Aryon D. & Ana Suelly Arruda C. Cabral (org.), Novos estudos sobre línguas indígenas, p. 99-128. Brasília: Editora UnB.

Ribeiro, Eduardo R. 2006. Macro-Jê. In Brown, Keith (editor-in-chief), Encyclopedia of Language and Linguistics, (2nd edition), volume 7, pp. 422-426. Oxford: Elsevier.

Ribeiro, Eduardo R. 2009. O Catecismo Purí do Pe. Francisco das Chagas Lima. Cadernos de Etnolingüística, vol. 1, n. 1.

Ribeiro, Eduardo R. 2009. Old data, new cognates: the case of the 'marker of alienable possession' in the Kamakã, Purí, and Krenák families. Cadernos de Etnolingüística, Série Notas, n. 2.

Ribeiro, Eduardo Rivail & Hein van der Voort. 2010. Nimuendajú was right: the inclusion of the Jabutí language family in the Macro-Jê stock. International Journal of American Linguistics, no. 4, p. 517–70.

Ribeiro, Eduardo Rivail. 2009. Tapuya connections: language contact in eastern Brazil. Liames, 9, p. 61-76.

Ribeiro, Francisco de Paula. 1841. Memoria sobre as nações gentias que presentemente habitam o Continente do Maranhão: analyse de algumas tribus mais conhecidas : processo de suas hostilidades sobre os habitantes : causas que lhes tem difficultado a reducção, e unico methodo que seriamente poderá reduzil-as. Revista Trimensal de Historia e Geographia ou Jornal do Instituto Historico e Geographico Brasileiro, tomo 3º., n. 10, p. 184-197; n. 11, p. 297-322; n. 12, p. 442-456.

Ribeiro, Francisco de Paula. 1848. Roteiro da viagem que fez o Capitão Francisco de Paula Ribeiro ás fronteiras da Capitania do Maranhão e da de Goyaz no anno de 1815 em serviço de S. M. Fidelissima. Revista Trimensal de Historia e Geographia ou Jornal do Instituto Historico e Geographico Brasileiro, tomo X, 1º. Trimestre de 1848, p. 5-80.

Ribeiro, Francisco de Paula. 1849. Descripção do territorio dos Pastos Bons, nos sertões do Maranhão; propriedades dos seus terrenos, suas producções, carater dos seus habitantes colonos, e estado actual dos seus estabelecimentos. Revista Trimensal de Historia e Geographia ou Jornal do Instituto Historico e Geographico Brasileiro, tomo XII, 1º. Trimestre de 1849, p. 41-86.

Ribeiro, Michela Araújo. 2008. Dicionário Djeoromitxi-Português: registro da diversidade lingüística do povo Jabuti. Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Rondônia (Guajará-Mirim).

Ribeiro, Roberto da Silva. 2005. O Catecismo Kiriri: a lei de Deus e o interesse dos homens. Sæculum: Revista de História, 13 (jul/dez), p. 39-51.

Ribeiro, Rosa Maria de Lima. 2008. Dicionário Arikapu/Português: registro de uma língua indígena amazônica. Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Rondônia (Guajará-Mirim).

Riester, Jürgen (org.). 1986. Zúbaka. La Chiquitanía: visión antropológica de una región en desarrollo. Tomo I: Vocabulario Español-Chiquito y Chiquito-Español de Max Fuss — Jürgen Riester. Cochabamba/La Paz: Editorial Los Amigos del Libro.

Rivet, Paul. 1953. La langue Mašubi. Journal de la Société des Américanistes, Nouvelle Série, t. XLII, p. 119-126.

Rodrigues, Aryon D. & Ana Suelly A. C. Cabral. 2010. Explorando a hipótese de Rodrigues sobre possíveis conexões genéticas Tupí e Macro-Jê. In Amado, Rosane de Sá (org.), Estudos em línguas e culturas Macro-Jê, p. 115-141. São Paulo: Paulistana.

Rodrigues, Aryon D. 1948. Notas sôbre o sistema de parentesco dos índios Kiriri. Revista do Museu Paulista, Nova Série, Vol. II, p. 193-205.

Rodrigues, Aryon D. 1967. Review of 'Völkerkundliche Forschungen in Südamerika', by Wanda Hanke. American Anthropologist, New Series, Vol. 69, No. 5, pp. 529-530.

Rodrigues, Aryon D. 1970. Línguas ameríndias. Grande Enciclopédia Delta-Larousse, p. 4034-4036.

Rodrigues, Aryon D. 1985. Evidence for Tupi-Carib relationships. In Klein, Harriet E. Manelis & Louisa R. Stark (ed.), South American Indian Languages: Retrospect and Prospect, p. 371-403. Austin: University of Texas Press.

Rodrigues, Aryon D. 1986. Línguas brasileiras: para o conhecimento das línguas indígenas. São Paulo: Edições Loyola.

Rodrigues, Aryon D. 1992. Um marcador Macro-Jê de posse alienável. Anais da 44a Reunião Anual da SBPC, p. 386.

Rodrigues, Aryon D. 1997. Nominal classification in Karirí. Opción, 22.65-79.

Rodrigues, Aryon D. 1999. Macro-Jê. In Dixon, Robert M. W. & Alexandra Aikhenvald (org.), The Amazonian Languages, p. 164-206. Cambridge: Cambridge University Press.

Rodrigues, Aryon D. 2000. 'Gê-Pano-Carib' x 'Jê-Tupí-Karib': sobre relaciones lingüísticas prehistóricas en Sudamérica. In Miranda, Luis (ed.), Actas: I Congreso de Lenguas Indígenas de Sudamérica, p. 95-104. Lima: Universidad Ricardo Palma.

Rodrigues, Aryon D. 2000. Flexão relacional no tronco lingüístico Macro-Jê. Boletim da Associação Brasileira de Lingüística, vol. 25, p. 219-231.

Rodrigues, Aryon D. 2002. Para o estudo histórico-comparativo das línguas Jê. In Santos, Ludoviko dos & Ismael Pontes (org.), Línguas Jê: estudos vários, p. 1-14. Londrina: Editora UEL.

Rodrigues, Aryon D. 2002. Classificação social dos animais em Kaingáng. In Santos, Ludoviko dos & Ismael Pontes (org.), Línguas Jê: estudos vários, p. 115-124. Londrina: Editora UEL.

Rodrigues, Aryon D. 2003. Silêncio, nasalidade e laringalidade em línguas indígenas brasileiras. Letras de Hoje, v. 38, n. 4, p. 11-24.

Rodrigues, Aryon D. 2003. Ergativité dans le nord-est brésilien: la famille kariri. Faits de Langue, Méso-Amérique, Caraïbes, Amazonie, vol 2, p. 71-75.

Rodrigues, Aryon D. 2004. Sobre a possível origem da diferença fonética entre a fala masculina e a feminina em Karajá. In D'Angelis, Wilmar da R. (org.), LIAMES (Anais do II Encontro Macro-Jê), 4, p. 115-121. Campinas: IEL/Unicamp.

Rodrigues, Aryon D. 2004. Línguas do Centro-Oeste numa perspectiva histórica. In Silva, Denize Elena Garcia da (org.), Atas do II Encontro Nacional do Grupo de Estudos de Linguagem do Centro-Oeste: integração lingüística, étnica e social, vol. 1, p. 69-72. Brasília: Oficina Editorial do Instituto de Letras da UnB.

Rodrigues, Aryon D. 2009. A Case of Affinity among Tupí, Karíb, and Macro-Jê. Revista Brasileira de Linguística Antropológica, vol. 1, n. 1, 137-162.

Rodrigues, Aryon Dall'Igna & Ana Suelly Arruda Câmara Cabral. 2007. Através do léxico Macro-Jê: em busca de cognatos. In Rodrigues, Aryon D. & A. S. A. C. Cabral (org.), Línguas e culturas Macro-Jê, p. 175-179. Brasília: Editora Universidade de Brasília/Finatec.

Rodrigues, Aryon Dall'Igna & Ana Suelly Arruda Câmara Cabral (org.). 2007. Línguas e culturas Macro-Jê. Brasília: Editora Universidade de Brasília/Finatec.

Rodrigues, Aryon Dall'Igna. 1981. Abertura e ressonância. Estudos Linguísticos. Anais dos Seminários do GEL, v.4, p. 324-333.

Rodrigues, Aryon Dall'Igna. 2007. O parentesco genético das línguas Umutína e Boróro. In Rodrigues, Aryon D. & Ana S. A. C. Cabral (org.), Línguas e Culturas Macro-Jê, p. 9-18. Brasília: Editora Universidade de Brasília/Finatec.

Rodrigues, Aryon Dall'Igna. 2009. A hypothesis on the personal inflection in Boróro. Revista Brasileira de Linguística Antropológica, vol. 1, n. 2, p. 315-317.

Rodrigues, Patrícia de Mendonça. 1999. O surgimento das armas de fogo: alteridade e feminilidade entre os Javaé . Estudos Feministas, Vol. 7, Números 1 e 2, p. 195-205.

Rodrigues, Patrícia de Mendonça. 2005. De corpo aberto: o poder tecnológico dos não-índios no mito e na cosmologia Javaé. Habitus, vol. 3, n. 1, p. 125-143.

Rodrigues, Patrícia de Mendonça. 2006. Vida cerimonial e luto entre os Javaé. Revista de Estudos e Pesquisas, v.3, n.1/2, p.107-131.

Rodrigues, Robson Antonio. 2007. Os caçadores-ceramistas do sertão paulista: um estudo etnoarqueológico da ocupação Kaingang no vale do rio Feio/Aguapeí. Tese de Doutorado, USP.

Rosa, Rogério Reus Gonçalves da. 2005. Os kujà são diferentes: um estudo etnológico do complexo xamânico dos Kaingang da terra indígena Votouro. Tese de doutorado, Porto Alegre, UFRGS.

Rudolph, Bruno. 1909. Wörterbuch der Botokudensprache. Hamburg: Fr. W. Thaden.

Sá, Rosane Muñoz de. 1999. Análise fonológica preliminar do Pykobyê. Mestrado, USP.

Sá, Rosane Muñoz de. 2002. Análise fonológica preliminar do Pykobyê. In Santos, Ludoviko dos & Ismael Pontes (org.), Línguas Jê: estudos vários, p. 195-213. Londrina: Editora UEL.

Salanova, Andrés Pablo. 2001. Considerações sobre a nasalidade em algumas línguas Jê. In Cabral, Ana Suelly Arruda Câmara & Aryon Dall'Igna Rodrigues (org.), Estudos sobre línguas indígenas I, p. 61-85. Belém: UFPA.

Salanova, Andrés Pablo. 2001. A nasalidade em Mebengokrê e Apinayé: o limite do vozeamento soante. Dissertação de mestrado, Unicamp.

Salanova, Andrés Pablo. 2007. Nominalizations and aspect. Tese de doutorado, MIT.

Salanova, Andrés Pablo. 2009. Não existem prefixos relacionais nas línguas Jê. In Braggio, Silvia L. B. & Sinval M. de Sousa Filho, Línguas e Culturas Macro-Jê, p. 259-271. Goiânia: Editora Vieira.

Sans, Pierric. 2010. Éléments de sociolinguistique et de phonologie du bésɨro (chiquitano). Mestrado, Université Lumiére Lyon2.

Santana, Áurea Cavalcante. 2005. Transnacionalidade lingüística: a língua Chiquitano no Brasil. Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Goiás.

Santos, Juliana Pereira dos. 2008. Marcas pessoais, concordância de número e alinhamento em Xavánte. Dissertação de mestrado, UnB.

Santos, Ludoviko C. dos. 1997. Descrição de aspectos morfossintáticos da língua Suyá/Kisêdjê (Jê). Tese de doutorado, Universidade Federal de Santa Catarina.

Santos, Ludoviko dos & Ismael Pontes (org.). 2002. Línguas Jê: estudos vários. Londrina: Editora UEL.

Santos, Ludoviko dos. 2002. Eliminação de segmentos fonológicos na língua Suyá. In Santos, Ludoviko dos & Ismael Pontes (org.), Línguas Jê: estudos vários, p. 131-145. Londrina: Editora UEL.

Santos, Ludoviko dos. 2007. Concordância de número em Kaingáng: um sistema parcialmente ergativo e parcialmente nominativo. In Rodrigues, Aryon D. & A. S. A. C. Cabral (org.), Línguas e culturas Macro-Jê, p. 145-152. Brasília: Editora Universidade de Brasília/Finatec.

Santos, Ludoviko dos. 2008. Apontamentos sobre um diagnóstico linguístico das línguas Kaingang e Guarani no Paraná. In Telles, Stella & Aldir Santos de Paula (orgs.), Topicalizando Macro-Jê, p. 75-85. Recife: NECTAR.

Santos, Ludoviko dos. 2009. Eliminação de segmentos fonológicos na língua Suyá. Revista Guavira, n. 8, p. 18-28.

Santos, Victor Dias de Oliveira. 2008. Languages of the world and their Case marking. The Brazilian language Xavante: a case study. Monografia de bacharelato, UFMG.

Schmidt, Max. 1912. Reisen in Matto Grosso im Jahre 1910. Zeitschrift für Ethnologie, 44, p. 130-174.

Schmidt, Max. 1941. Los Barbados o Umotinas en Matto Grosso (Brasil). Revista de la Sociedad Cientifica del Paraguay, Tomo V, N. 4, p. 1-51.

Schmidt, Max. 1942. Resultados da minha expedição bienal a Mato Grosso, de setembro de 1926 a agosto de 1938. Boletim do Museu Nacional, XIV-XVII (1938-1941), p. 241-285.

Schmidt-Riese, Roland. 2002. Catégorisation cognitive et grammaticale au XVIIe siècle: propriétés des choses et mots de propriété en kariri. Romanistisches Jahrbuch, p. 383–407.

Scolnik, Rosa. 1955. Observaciones sobre el estado sanitario de algunas tribus indígenas del Brasil Central. América Indígena, Vol. XV, n. 2, p. 89-96.

Seeger, Anthony. 1975. The Meaning of Body Ornaments: A Suya Example. Ethnology, Vol. 14, No. 3, pp. 211-224.

Seeger, Anthony. 1979. What Can We Learn When They Sing? Vocal Genres of the Suya Indians of Central Brazil. Ethnomusicology, Vol. 23, No. 3 (Sep., 1979), pp. 373-394 .

Seeger, Anthony. 1980. Os índios e nós: estudos sobre sociedades tribais brasileiras. Rio de Janeiro: Campus.

Sekelj, Tibor. 1948. Excursión a los indios del Araguaia (Brasil). Runa: Archivo para las Ciencias del Hombre, 1.97-110.

Sekelj, Tibor. 1950. Donde la civilización termina: vida de las tribus del Amazonas. Buenos Aires: Editorial Albatros.

Seki, Lucy. 1989. Evidências de relações genéticas na família Jê. Estudos Lingüísticos (Anais de Seminários do GEL), v. 18, p. 604-611.

Seki, Lucy. 1990. Apontamentos para a bibliografia da língua Botocudo/Borum. Cadernos de Estudos Lingüísticos, (18): 115-142.

Seki, Lucy. 2002. O Krenak (Botocudo/Borum) e as línguas Jê. In Santos, Ludoviko dos & Ismael Pontes (org.), Línguas Jê: estudos vários, p. 15-40. Londrina: Editora UEL.

Seki, Lucy. 2004. Aspectos da morfossintaxe Krenak: orações independentes. In D'Angelis, Wilmar da R. (org.), LIAMES (Anais do II Encontro Macro-Jê, 4, p. 131-148. Campinas: IEL/Unicamp.

Silva, Aracy Lopes & Agenor Farias. 1992. Pintura Corporal e Sociedade: os “partidos” Xerente. In Vidal, Lux, Grafismo indígena, p. 89-116. São Paulo, EDUSP.

Silva, Daniela Araújo da. 2009. Diáspora Borum: índios Krenak no Estado de São Paulo (1937–2008). Mestrado (História), Assis: UNESP.

Silva, Fábia Pereira da. 2011. Descrição da estrutura silábica do Yaathe, uma língua indígena brasileira. Anais do VII Congresso Internacional da Abralin, p. 1378-1389.

Silva, Fábia Pereira da. 2011. A sílaba em Yaathe. Mestrado, Universidade Federal de Alagoas.

Silva, Fabíola A. & Francisco Silva Noelli. 1996. Para uma síntese dos Jê do sul: igualdades, diferenças e dúvidas para a etnografia, etno-história e arqueologia. Estudos Ibero-Americanos, v. 22, n. 1, p. 13-25.

Silva, Giovani José da. 2011. A respeito de migrações e estigmas: indígenas Camba-Chiquitano na fronteira Brasil-Bolívia, segunda metade do século XX. História Unisinos, 15(2):159-171.

Silva, Isadora Maria de Barcelos. 2009. Estatuto da posposição tɛ: valoração de caso ergativo e realização do papel temático em Timbira-Apãniekrá. In Braggio, Silvia L. B. & Sinval M. de Sousa Filho, Línguas e Culturas Macro-Jê, p. 239-258. Goiânia: Editora Vieira.

Silva, Jacionira Coêlho. 2003. Arqueologia no médio São Francisco. Indígenas, vaqueiros e missionários. Tese de doutorado (História), Universidade Federal de Pernambuco.

Silva, Léia de Jesus & Sanderson de Oliveira. 2007. Observações preliminares sobre o sistema pronominal da língua Rikbáktsa. In Rodrigues, Aryon D. & A. S. A. C. Cabral (org.), Línguas e culturas Macro-Jê, p. 153-162. Brasília: Editora Universidade de Brasília/Finatec.

Silva, Léia de Jesus. 2005. Aspectos da fonologia e da morfologia da língua Rikbáktsa. Dissertação de mestrado, UnB.

Silva, Léia de Jesus. 2011. Morphosyntaxe du Rikbaktsa (Amazonie brésilienne). Doutorado, Université Denis Diderot (Paris 7).

Silva, Lucia Helena Tozzi da. 2002. Descrição fonológica do sistema vocálico da língua Ofayé. InterAtividade, v. 2, n. 1, p. 100-114.

Silva, Maria Amélia Reis & Andrés Salanova. 2000. Verbo y ergatividad escindida en Mẽbêngôkre. In Hein van der Voort & Simon van de Kerke (eds.), Indigenous Languages of Lowland South America, [Indigenous Languages of Latin America, 1], p. 225-242. Leiden: Research School of Asian, African, and Amerindian Studies (CNWS).

Silva, Maria Amélia Reis. 2001. Pronomes, ordem e ergatividade em Mebengokrê (Kayapó). Dissertação de mestrado, Unicamp.

Silva, Maria do S. Pimentel da & Leandro Mendes Rocha (org.). 2006. Linguagem especializada: mitologia Karajá. Goiânia: Editora da UCG.

Silva, Maria do Socorro Pimentel da. 2004. Fenômeno do bilingüismo na sociedade Karajá e no processo escolar. In D'Angelis, Wilmar da R. (org.), LIAMES (Anais do II Encontro Macro-Jê), 4, p. 123-130. Campinas: IEL/Unicamp.

Silva, Maria do Socorro Pimentel da. 2009. Reflexões sociolinguísticas sobre línguas indígenas ameaçadas. Goiânia: Editora da UCG.

Silva, Maria Sueli Ribeiro da. 2011. A língua Kaingáng da aldeia paulista Icatu: uma descrição funcional. Doutorado, UNESP/São José do Rio Preto.

Silva Neto, Ambrósio Pereira da. 2007. Revisão da classificação da família lingüística Puri. Dissertação de mestrado, UnB.

Silva, Renata Bortoletto. 2008. Os Chiquitano de Mato Grosso: estudo das classificações sociais em um grupo indígena da fronteira Brasil-Bolívia. Tese de doutorado (Antropologia Social), USP.

Silva, Sérgio Baptista. 2001. Etnoarqueologia dos grafismos Kaingang: um modelo para a compreensão das sociedades Proto-Jê meridionais. Tese de Doutorado, Universidade de São Paulo.

Silva, Thaïs Cristófaro Alves da. 1987. Um problema na análise fonológica dos segmentos vocálicos em Krenák. DELTA, vol. 3, n. 2, p. 183-195.

Siqueira, Kênia Mara de Freitas. 2003. Aspectos do substantivo na língua Xerente. Dissertação de mestrado, UFG.

Siqueira, Kênia Mara de Freitas. 2009. Descrição de nomes de partes do corpo em composições lexicais na língua Akwẽ-Xerente. In Braggio, Silvia L. B. & Sinval M. de Sousa Filho, Línguas e Culturas Macro-Jê, p. 273-295. Goiânia: Editora Vieira.

Siqueira, Kênia Mara de Freitas. 2009. Nomes de partes em função classificadora: âmbito de análise do sistema de classificação nominal Akwẽ-Xerente. Revista Eletrônica Via Litterae, v. 1, n. 1, p. 61-79.

Snethlage, Emil Heinrich. 1930. Unter nordostbrasilianischen Indianern. Ethnologischer Anzeiger, Bd. II, Heft 4, p. 185-188.

Snethlage, Emil Heinrich. 1931. Unter nordostbrasilianischen Indianern. Zeitschrift für Ethnologie, LXII, p. 111-205.

Snethlage, Emil Heinrich. 1939. Musikinstrumente der Indianer des Guaporégebietes. Baessler-Archiv, Beiheft 10.

Socrates, Eduardo Arthur. 1892. Vocabularios indigenas organizados por Eduardo Arthur Socrates, tenente de artilheria. Revista Trimensal do Instituto Historico e Geographico Brazileiro, tomo 55, parte 1, p. 87-96.

Sousa Filho, Sinval Martins de. 2006. Nomes próprios e a referenciação Xerente. Todas as Letras, vol. 8, n. 1, p. 118-125.

Sousa Filho, Sinval Martins de. 2007. Aspectos morfossintáticos da língua Akwe-Xerente. Tese de doutorado, UFG.

Sousa Filho, Sinval Martins de. 2009. Reflexões sobre a aquisição de língua pela criança Xerente. In Braggio, Silvia L. B. & Sinval M. de Sousa Filho, Línguas e Culturas Macro-Jê, p. 297-314. Goiânia: Editora Vieira.

Sousa Filho, Sinval Martins de. 2010. Formas curtas e longas de verbos em Akwẽ-Xerente (Jê). In Amado, Rosane de Sá (org.), Estudos em línguas e culturas Macro-Jê, p. 181-187. São Paulo: Paulistana.

Souza, Jonas Gregorio. 2009. A cerâmica de Tradição Itararé-Taquara (RS/SC/PR) e a difusão das línguas Jê meridionais: uma reanálise dos dados. Monografia de Conclusão de Curso, Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Souza, Jonas Gregorio de. 2011. Linguistics, archaeology, and the histories of language spread: the case of the Southern Jê languages, Brazil. Cadernos de Etnolingüística, vol. 3, n. 2, p. 1-16.

Souza, Marcela Coelho de. 2001. Nós, os vivos: "construção da pessoa" e "construção do parentesco" entre alguns grupos jê. Revista Brasileira de Ciências Sociais, vol.16, n.46, pp. 69-96 .

Souza, Marcela Coelho de. 2002. O traço e o círculo: o conceito de parentesco entre os Jê e seus antropólogos. Tese de doutorado, PPGAS/Museu Nacional-UFRJ.

Souza, Marcela Coelho de. 2004. Parentes de sangue: incesto, substância e relação no pensamento Timbira. Mana, 10(1):25-60.

Souza, Shelton Lima de. 2008. Descrição fonético-fonológica da língua Akwen-Xerente. Dissertação de mestrado, UnB.

Souza, Sueli Maria de. 2002. Collecting texts in Craô and Portuguese for teaching. In Burnaby, Barbara & Jon Reyhner (ed.), Indigenous Languages Across the Community, p. 183-187. Flagstaff, AZ: Northern Arizona University.

Souza, Sueli Maria de. 2011. A sintaxe do verbo final no Krahô. Curitiba: Editora CRV.

Steinen, Karl von den. 1886. Durch Central-Brasilien. Expedition zur Erforschung des Schingú im Jahre 1884. Leipzig: F. A. Brockhaus.

Steinen, Karl von den. 1894. Unter den Naturvölkern Zentral-Brasiliens. Berlin: Hoefer & Vohsen.

Swadesh, Mauricio. 1959. Mapas de clasificación lingüística de México y las Américas. México: Universidad Nacional Autónoma de México.

Tabosa, Luciana Pereira. 2006. Construções causativas da lingua Kaingang. Dissertação de mestrado, Universidade Estadual de Londrina.

Takatuzi, Tatiana. 2005. Águas batismais e santos óleos: uma trajetória histórica do aldeamento de Atalaia. Dissertação de mestrado, Unicamp.

Taunay, Alfredo d’Escragnolle. 1888. Os indios Caingangs (Coroados de Guarapuava). Monographia acompanhada de um vocabulario do dialecto de que usam. Revista Trimensal do Instituto Historico e Geographico Brazileiro, suplemento ao tomo LI (comemorativo do quinquagésimo aniversário do Instituto), p. 251-310.

Teixeira, José Baltazar. 1988. Contribuição para a fonologia do dialeto Kaingáng de Nonoai. Dissertação de Mestrado, UNICAMP.

Telles (Pereira Lima), Stella. 1995. A língua Umutina, um sopro de vida. Dissertação de mestrado, UFPE.

Telles, Stella & Aldir Santos de Paula. 2008. Apresentação. In Stella Telles & Aldir Santos de Paula (orgs.), Topicalizando Macro-Jê, p. 5-8. Recife: NECTAR.

Telles, Stella & Aldir Santos de Paula (orgs.). 2008. Topicalizando Macro-Jê. Recife: NECTAR.

Telles, Stella. 2007. A flexão nominal em Umutína. In Rodrigues, Aryon D. & A. S. A. C. Cabral (org.), Línguas e culturas Macro-Jê, p. 127-137. Brasília: Editora Universidade de Brasília/Finatec.

Toral, André Amaral de. 1992. Cosmologia e sociedade Karajá. Dissertação de mestrado, Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social/Museu Nacional/UFRJ.

Tugny, Rosângela Pereira de. 2011. Reverberações entre cantos e corpos na escrita Tikmũ'ũn. TRANS, Revista Transcultural de Música, 15.

Turner, Terence. 1992. Os Mebengokre Kayapó: história e mudança social, de comunidades autônomas para a coexistência interétnica. In Carneiro da Cunha, Manuela, História dos Índios no Brasil, p. 311-338. São Paulo, Cia. das Letras.

Uhlenbeck, Christianus Cornelius. 1910. Resenha de 'Wörterbuch der Botokundensprache', de Bruno Rudolph (Hamburg: Fr.W. Thaden, 1909). Internationales Archiv für Ethnographie, 19, 172-173.

Urban, Greg. 1981. Agent- and Patient-Centricity in Myth. The Journal of American Folklore, Vol. 94, No. 373 (Jul. - Sep., 1981), pp. 323-344.

Urban, Greg. 1984. Speech about Speech in Speech about Action. The Journal of American Folklore, Vol. 97, No. 385 (Jul. - Sep., 1984), pp. 310-328.

Urban, Greg. 1985. On Pataxó and Hãhãhãi. International Journal of American Linguistics, Vol. 51, No. 4 (Oct., 1985), pp. 605-608.

Urban, Greg. 1985. Interpretations of Inter-Cultural Contact: The Shokleng and Brazilian National Society 1914-1916. Ethnohistory, Vol. 32, No. 3 (Summer, 1985), pp. 224-244.

Urban, Greg. 1986. Ceremonial Dialogues in South America. American Anthropologist, New Series, Vol. 88, No. 2 (Jun., 1986), pp. 371-386.

Urban, Greg. 1988. Ritual Wailing in Amerindian Brazil. American Anthropologist, New Series, Vol. 90, No. 2 (Jun., 1988), pp. 385-400.

Urban, Greg. 1992. A história da cultura brasileira segundo as línguas nativas. In Carneiro da Cunha, Manuela, História dos Índios no Brasil, p. 87-102. São Paulo, Companhia das Letras.

Urban, Greg. 1996. Entextualization, replication, and power. In Silverstein, Michael & Greg Urban (ed.), Natural histories of discourse, p. 21-44. Chicago: University of Chicago Press.

Urban, Greg. 1996. Metaphysical Community: The Interplay of the Senses and the Intellect. Austin: University of Texas Press.

van der Voort, Hein. 2007. Proto-Jabutí: um primeiro passo na reconstrução da língua ancestral dos Arikapú e Djeoromitxí. Boletim do Museu Paraense Emilio Goeldi. Ciências Humanas, Vol. 2, No 2, p. 133-168.

van der Voort, Hein. 2007. Theoretical and social implications of language documentation and description on the eve of destruction in Rondônia. In Peter K. Austin, Oliver Bond & David Nathan (eds), Proceedings of Conference on Language Documentation and Linguistic Theory, pp. 251-259. London: SOAS.

van der Voort, Hein. 2008. Arikapú. Povos Indígenas no Brasil, [inglês], [português].

van der Voort, Hein. 2008. Djeoromitxí. Povos Indígenas no Brasil, [inglês], [português].

Vasconcelos, Eduardo Alves. 2009. Estudo preliminar do Cayapó do Sul. In Braggio, Silvia L. B. & Sinval M. de Sousa Filho, Línguas e Culturas Macro-Jê, p. 315-328. Goiânia: Editora Vieira.

Vasconcelos, Eduardo Alves. 2009. Sobre as listas de palavras Cayapó do Sul de São José de Mossâmedes. Revista Sínteses, vol. 14, p. 405-423.

Vasconcelos, Eduardo Alves. 2010. Fontes históricas sobre os Cayapó do Sul. Anais do SETA, n. 4, p. 252-265.

Veiga, Juracilda. 2000. Cosmologia e práticas rituais Kaingang. Tese de Doutorado, UNICAMP.

Veiga, Juracilda. 2004. Os Kaingáng e Xokléng no panorama dos povos Jê. In D'Angelis, Wilmar da R. (org.), LIAMES (Anais do II Encontro Macro-Jê), 4, p. 59-70. Campinas: IEL/Unicamp.

Veiga, Juracilda. 2006. Aspectos fundamentais da cultura Kaingang. Campinas: Editora Curt Nimuendajú.

This site is part of the Etnolinguistica.Org network.
Except where otherwise noted, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.