Xavánte

Ehrenreich, Paul. 1895. Materialien zur Sprachenkunde Brasiliens: III. Die Sprache der Akuä oder Chavantes und Cherentes (Goyaz). Zeitschrift für Ethnologie, 27.149-162.

Estevam, Adriana Machado. 2009. Forma nominal do verbo em Xavante. Anais do SILEL, vol. 1.

Falleiros, Guilherme Lavinas Jardim. 2010. Casas, corpos, nomes e outras dádivas — hipóteses sobre intercâmbio e tradição A'uwẽ-Xavante. In Amado, Rosane de Sá (org.), Estudos em línguas e culturas Macro-Jê, p. 45-67. São Paulo: Paulistana.

Fernandes, Estêvão Rafael. 2010. Indo além do êmico: educação em fluxo entre os Xavante. In Amado, Rosane de Sá (org.), Estudos em línguas e culturas Macro-Jê, p. 231-243. São Paulo: Paulistana.

Ferreira, Aline Alves & Estevão Rafael Fernandes. 2009. As várias dimensões da alimentação: o caso Xavante. In Braggio, Silvia L. B. & Sinval M. de Sousa Filho, Línguas e Culturas Macro-Jê, p. 183-195. Goiânia: Editora Vieira.

Hünemeier, Tábita et al. 2011. Cultural diversification promotes rapid phenotypic evolution in Xavánte Indians. PNAS, December 19, 2011, doi:10.1073/pnas.1118967109.

Maybury-Lewis, David. 1979. Dialectical Societies: The Gê and Bororo of Central Brazil. Cambridge, Harvard University Press.

Maybury-Lewis, David. 1984. A sociedade Xavante. Rio de Janeiro, Francisco Alves.

Maybury-Lewis, David. 1988. The savage and the innocent. Boston: Beacon Press.

Oliveira, Rosana C. de. 2002. Construções interrogativas em Xavante. In Santos, Ludoviko dos & Ismael Pontes (org.), Línguas Jê: estudos vários, p. 185-194. Londrina: Editora UEL.

Oliveira, Rosana Costa de. 2007. Morfologia e Sintaxe da Língua Xavante. Tese de doutorado, UFRJ.

Pickering, William Alfred. 2010. A fonologia xavante: uma revisitação. Tese de doutorado, Unicamp.

Quintino, Wellington Pedrosa. 2000. Aspectos da fonologia xavante. Dissertação de mestrado, Unicamp.

Quintino, Wellington Pedrosa. 2009. Assimilação e restrição: condicionamento de coda e onset complexo em Xavante. In Dermeval da Hora (org.), Anais: VI Congresso Internacional da Abralin, vol. 1, p. 3084-3094. João Pessoa: Ideia.

Ribeiro, Eduardo R. 2002. O marcador de posse alienável em Karirí: um morfema Macro-Jê revisitado. LIAMES, 2.31-48.

Rodrigues, Aryon D. 1985. Evidence for Tupi-Carib relationships. In Klein, Harriet E. Manelis & Louisa R. Stark (ed.), South American Indian Languages: Retrospect and Prospect, p. 371-403. Austin: University of Texas Press.

Rodrigues, Aryon D. 2004. Sobre a possível origem da diferença fonética entre a fala masculina e a feminina em Karajá. In D'Angelis, Wilmar da R. (org.), LIAMES (Anais do II Encontro Macro-Jê), 4, p. 115-121. Campinas: IEL/Unicamp.

Rodrigues, Aryon D. 2004. Línguas do Centro-Oeste numa perspectiva histórica. In Silva, Denize Elena Garcia da (org.), Atas do II Encontro Nacional do Grupo de Estudos de Linguagem do Centro-Oeste: integração lingüística, étnica e social, vol. 1, p. 69-72. Brasília: Oficina Editorial do Instituto de Letras da UnB.

Santos, Juliana Pereira dos. 2008. Marcas pessoais, concordância de número e alinhamento em Xavánte. Dissertação de mestrado, UnB.

Santos, Victor Dias de Oliveira. 2008. Languages of the world and their Case marking. The Brazilian language Xavante: a case study. Monografia de bacharelato, UFMG.

This site is part of the Etnolinguistica.Org network.
Except where otherwise noted, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.